domingo, 7 de maio de 2017

A Previsão da Morte de John Lennon

O médium Alex Tanous estava sendo entrevistado por Lee Speigel, para o programa radiofônico Unexplained Phenomena (Fenômenos Inexplicáveis), da NBC. Os dois estavam sentados no escritório da Sociedade Americana de Pesquisas Psíquicas, localizado na rua 73 Oeste, na cidade de Nova York, bem em frente ao edifício de apartamentos Dakota.
Speigel pediu uma previsão especial, que pudesse interessar os ouvintes de todo o país - a audiência era de fãs de rock na faixa de 18 a 44 anos.
- A previsão que vou fazer - disse Tanous - é que um astro muito famoso do mundo do rock terá morte prematura, e que isso poderá acontecer a qualquer momento, a partir de agora. Refiro-me à morte prematura, porque existe algo estranho com seu passamento, mas o caso irá afetar a consciência de muita gente, por causa de sua fama.
Sem mencionar o nome, Tanous acrescentou que o astro podia ter nascido em um outro país, porém estava morando nos EUA.
O programa foi transmitido em 8 de setembro de 1980. Três meses depois, John Lennon, o astro do rock nascido na Inglaterra, que morava na cidade de Nova York, foi alvejado e assassinado à entrada do Edifício Dakota, visível pelas janelas do escritório em que Tanous estivera sentado quando previu que haveria um evento trágico.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

O Pássaro Gigante

Às 20h10 do dia 25 de julho de 1977, Marlon Lowe, menino de 10 anos de Lawndale, Illinois, teve uma experiência que a ciência considera impossível: ele foi levantado do chão e transportado pelo ar por um pássaro imenso.
O primeiro habitante de Lawndale a perceber alguma coisa estranha no ar foi um homem chamado Cox, que viu dois grandes pássaros semelhantes a condores vindos do sudoeste. Naquele momento, Marlon estava correndo com alguns amigos, sem perceber que logo atrás dele dois pássaros gigantes, diferentes de qualquer espécie existente no Estado de Illinois, voavam a cerca de 2,50 metros de altura do solo. O menino ainda estava correndo, quando um deles o agarrou e transportou-o pelo ar.
Sua mãe, Ruth Lowe, viu tudo e gritou aterrorizada, correndo atrás dos pássaros. Depois de carregá-lo por uns 100 metros, a criatura soltou Marlon, que caiu, mas não se machucou. Os dois pássaros voaram em direção ao nordeste. No total, seis pessoas testemunharam o incrível evento.
A sra. Lowe declarou que os pássaros pareciam enormes condores, com bico de 15 centímetros e pescoço de 45 centímetros, e um anel branco no meio do pescoço. Com exceção do anel, os pássaros eram pretos. Cada asa tinha, pela estimativa mais conservadora, 1,20 metro de comprimento.
Mesmo com seis testemunhas, a história era tão incrível que, embora atraísse divulgação em âmbito nacional, ninguém acreditou nela, e a família Lowe viu-se sujeita a uma perseguição odiosa. O guarda-florestal local chamou a sra. Lowe de mentirosa. Pessoas desconhecidas começaram a deixar pássaros mortos junto à porta da casa deles. Os adolescentes locais passaram a perturbar Marlon, chamando-o de "Bird Boy" (Menino Pássaro).
A tensão do ataque original e de suas conseqüências foi tal que os cabelos de Marlon, antes ruivos, tornaram-se grisalhos. Durante mais de um ano, depois do incidente, ele se recusou a sair de casa à noite.
Dois anos mais tarde, recordando aquele episódio, a sra. Lowe contou aos investigadores Loren e Jerry Coleman:
- Nunca esquecerei como aquela coisa enorme curvou o pescoço com o anel branco e pareceu bicar meu filho, enquanto o levava para longe de mim. Eu estava junto à porta, e tudo o que vi foram os pés de Marlon balançando no ar. Não existem pássaros por aqui que pudessem tê-lo levantado daquele jeito.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Os Homenzinhos do Espaço

Histórias dos chamados "homenzinhos do espaço", que estariam habitando nosso planeta, são tão difundidas que, de duas, uma: ou sociedades anteriores tinham uma tendência peculiar em se divertir com contos de fadas similares, a despeito das vastas diferenças geográficas e culturais, ou algum estímulo, ainda não estudado a fundo, deu origem às fantásticas histórias.
Na América Central, por exemplo, diminutos humanóides, semelhantes a anões, são conhecidos como ikals e wendis. Na língua indígena tzeltal, os ikals são seres cabeludos, com 90 centímetros de altura, que vivem em cavernas como morcegos. A respeito deles, Brian Stoss, antropólogo da Universidade de Berkeley, com base em relatos contemporâneos, declara:
- Há uns vinte anos, talvez menos, muitas pessoas viram essas criaturas, e muita gente, ao que tudo indica, tentou atacá-las com facões. Um homem chegou a ver uma pequena esfera que o seguia, a cerca de 1,50 metro. Depois de várias tentativas, ele, finalmente, a golpeou com o facão, e a esfera se desintegrou, deixando apenas uma substância semelhante a cinza.
Stoss também foi informado de que o íkal paralisou e seqüestrou mulheres índias, levadas para suas cavernas e forçadas a manter relações sexuais uma vez por semana, dando à luz crianças que aprendiam a voar,
Essas histórias nos levam a fazer comparações curiosas com experiências dos dias de hoje, relatadas por pessoas que foram levadas para o interior de discos voadores, e que dizem ter visto pequenas entidades humanóides que paralisam e engravidam as vítimas. Seriam os homenzinhos de antigamente precursores dos ocupantes dos OVNIs de hoje? Em caso positivo, talvez devêssemos procurar espaços interiores, e não exteriores, para buscarmos suas raízes originais.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Percepção Extra-Sensorial e Ataque Aéreo

Ruth-Inge Heinze, antropóloga alemã, renomada estudiosa de religião e xamanismo, leciona atualmente no Califórnia Institute of Integral Studies, em San Francisco. Mas, se não fosse por seu sexto sentido, ela teria perdido a vida na Segunda Guerra Mundial.
O caso ocorreu por ocasião dos ataques dos Aliados na Alemanha, quando a dra. Heinze buscava refúgio nos abrigos antiaéreos. Durante um desses ataques, entretanto, o pânico foi tão intenso que a antropóloga não conseguiu chegar ao abrigo. Em vez de continuar correndo, a dra. Heinze procurou segurança na entrada de um edifício público.
- Estilhaços de metralha dos canhões antiaéreos caíam como chuva por todos os lados - narrou, posteriormente. - Centenas de canhões, grandes e pequenos, disparavam sem parar contra dezenas de aviões. O nicho onde me abriguei mal me dava proteção. De repente, no entanto, senti uma vontade incontrolável de sair correndo pela rua, em direção à casa mais próxima, localizada a uns 100 metros de distância. Não fui atingida pelos estilhaços por milagre, pois eles caíam a meu redor. No momento em que cheguei à casa, o prédio onde eu estivera abrigada foi atingido por uma bomba e ficou completamente destruído. De certa forma, percebi que a bomba estava para cair exatamente ali.
Hoje, Heinze simplesmente limita-se a sorrir, quando os céticos tentam dizer-lhe que a PES não existe.

sábado, 29 de abril de 2017

Sonhos com Mortos

Muitas culturas desprovidas de tecnologias sofisticadas acreditam que podemos entrar em contato com os mortos durante nossos sonhos. Na realidade, alguns antropólogos sugerem que a crença na existência de vida após a morte tem raízes no fato de que sonhamos, muitas vezes, com amigos e parentes já falecidos. No entanto, novas pesquisas estão a indicar que alguns desses sonhos peculiares poderiam ser literalmente verdadeiros.
Vários casos que apontam nessa direção foram coletados por Helen Solen, de Portland, Oregon, que tem se mostrado particularmente interessada nas experiências oníricas de uma dona de casa, à qual ela dá o nome de Gwen. Os sonhos post-mortem de Gwen começaram em 1959, logo após a morte de sua mãe.
- Não me recordo bem se já sonhei com qualquer outra pessoa, viva ou morta - contou ela a Solen. - No entanto, fiquei muito abalada com a morte de minha mãe, que tinha apenas 49 anos. Muitas vezes, após seu falecimento, ela me procurava em sonho, especialmente quando eu estava perplexa, ou então perturbada.
Em pouco tempo, Gwen percebeu que podia pedir a ajuda da mãe em momentos de crise, e o fantasma respondia em seus sonhos. Certa noite, por exemplo, Gwen sonhou com uma sala cheia de caixões de defunto. A sugestão do estranho sonho era que o pai dela também estava prestes a morrer. Sua mãe apareceu-lhe nos sonhos naquela madrugada para confortá-la, e para explicar que ela ajudaria pessoalmente o velho a fazer a transição.
Dois dias mais tarde, o pai de Gwen teve de ser levado às pressas ao hospital, e os médicos avisaram que teriam de realizar delicada cirurgia no coração. Gwen deu permissão para que os médicos o operassem, porém o desenlace aconteceu dois dias depois.
A mãe de Gwen apareceu em sonho para dizer que naquela madrugada a crise finalmente chegaria ao fim. Gwen acordou logo depois e viu que eram 7 horas. Decorrido pouco tempo - precisamente às 7h10 -, recebeu um telefonema do hospital, avisando que seu pai falecera.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

O Golfinho Salva-Vidas

Um dia, no início de agosto de 1982, Nick Christides, de 11 anos, estava surfando nas ilhas Keeling, no oceano Índico, quando foi arrastado para alto-mar. Durante as quatro horas seguintes, ele vagou por águas infestadas de tubarões, enquanto embarcações e aviões o procuravam em vão.
Felizmente, Nick tinha um amigo: o golfinho que se aproximou dele logo no começo do drama, protegendo-o dos tubarões que o rodeavam. O golfinho permaneceu a seu lado, afastando os prováveis atacantes e certificando-se de que o menino não perderia as forças, acabando no fundo do mar. Por fim, Christides foi visto por um avião e acabou sendo resgatado. Seu pai declarou aos repórteres:
- O golfinho ficou com ele o tempo todo, nadando a seu lado ou movendo-se em círculos. Ele deve ter percebido que Nick estava com problemas e que ia sendo levado pelas correntes marinhas.

terça-feira, 25 de abril de 2017

A Ceia 17

Nos vinte anos entre 1860 e 1880, os EUA foram abalados por violentos conflitos trabalhistas. As condições de trabalho nas minas de carvão da Pennsylvania eram terríveis - um operário recebia, em média, 50 centavos de dólar por um longo e perigoso dia de labuta embaixo da terra - e os mineiros, a maioria imigrantes irlandeses, viviam em freqüente disputa com seus chefes, muitos dos quais descendentes de ingleses e galeses.
Para enfrentar os proprietários das minas, formou-se a sociedade secreta chamada Mollie Maguires. Essa sociedade organizou a primeira greve contra as companhias de mineração dos EUA. Mas a resistência dela foi mais além: seus integrantes incitaram tumultos e mataram cerca de 150 pessoas.
Os donos das minas contrataram os serviços da Agência de Detetives Pinkerton, que colocou o agente James McParlen disfarçado entre os membros da Mollie Maguires. Mais tarde, o testemunho de McParlen enviaria doze participantes da sociedade secreta para a forca. Em 1877, "Yellow Jack" Donohue foi condenado por haver matado um contra-mestre da Lehigh Coal and Navigation Company. Três outros homens foram sentenciados à forca pelo assassinato de outro supervisor de uma mina. Dois desses homens enfrentaram estoicamente a morte. Contudo, um deles - Alexander Campbell - jurou estar inocente.
Quando o arrastavam da cela número 17, no primeiro pavimento, Campbell esfregou a mão esquerda na poeira do chão e pressionou a palma contra a parede.
- Esta impressão palmar permanecerá aqui para sempre, como prova de minha inocência - gritou o condenado.
Campbell repetiu o juramento de inocência por várias vezes, enquanto ia sendo arrastado à força para o patíbulo, onde, após a abertura do alçapão, ele ainda demorou 14 minutos para morrer por enforcamento. Campbell se foi, porém sua impressão palmar ficou, exatamente como prometera.
Em 1930, quando Robert L. Bowman foi eleito xerife de Carbon County, prometeu retirar a impressão, que já estava sendo considerada como prova de um terrível erro judiciário na história do município. Em dezembro de 1931, uma equipe de trabalho entrou na cela de número 17 e retirou da parede o pedaço do reboco onde estava a impressão palmar, substituindo-o por um reboco novo.
Na manhã seguinte, o xerife entrou na cela e ficou horrorizado ao ver o leve contorno da mão, no reboco ainda úmido. A noite, a impressão palmar negra era perfeitamente visível.
Embora a cela agora seja mantida trancada, sendo aberta apenas para algum visitante ocasional, a impressão palmar continua lá até hoje.
Em 1978, um pintor de paredes entrou às escondidas na cela e tentou pintar aquele pedaço do reboco, mas a impressão reapareceu, minutos depois, na tinta fresca.

domingo, 23 de abril de 2017

Fogo e Fé

A Free Pentacostal Holiness Church é uma seita fundamentalista, com ramificações por toda a região sul dos EUA. Seus membros levam a Bíblia ao pé da letra, e acreditam piamente no livro sagrado quando ele afirma que os crentes podem desafiar serpentes, veneno e fogo. Assim, como parte dos serviços religiosos, a congregação se entrega a um verdadeiro frenesi, no auge do qual os participantes seguram cascavéis, tomam estrienina e colocam as mãos no fogo, sem qualquer desconforto ou efeito secundário.
Um estudo científico dessa seita foi realizado pelo psiquiatra Berthold Schwarz, de Nova Jersey, em 1959. Ele visitou o Tennessee várias vezes para observar as reuniões dos seguidores dessa religião, e testemunhou que os paroquianos seguravam lampiões de querosene nas mãos e nos pés, e não se queimavam.
- Em três ocasiões - relatou Schwarz -, três mulheres diferentes colocaram a chama do lampião no peito, para que as labaredas ficassem em contato íntimo com os vestidos de algodão, os pescoços desprotegidos, rostos e cabelos. Isso durou mais do que alguns segundos. Em determinado momento, certo membro da congregação pegou a brasa do tamanho de um ovo de galinha e a manteve nas palmas da mão por 65 segundos, enquanto caminhava entre os demais participantes.
Schwarz, por outro lado, não conseguiu tocar na brasa incandescente por mais de 1 segundo, e ficou com dolorosa bolha na mão.
O dr. Schwarz acredita que esses adoradores provavelmente entram em algum tipo de transe durante as reuniões. No entanto, persiste o enigma científico de saber que tipo de força poderia impedir que suas roupas pegassem fogo.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Mente Fotográfica

Ted Sérios era conhecido como "o homem da mente fotográfica" - não por causa de sua memória, mas devido à capacidade de imprimir imagens em filmes Polaroid pela pura concentração.
A maior parte do que sabemos do caso nos vem dos relatos do psiquiatra Jule Eisenbud, de Denver, Colorado, que trabalhou com Sérios nos anos 60. Sérios, ex-mensageiro de hotel em Chicago, morou na casa de Eisenbud durante a realização dos experimentos. Seu procedimento normal era olhar para a lente da câmara, freqüentemente através de um cilindro de papel preto, e dizer aos pesquisadores quando deviam apertar o disparador. Em geral, uma cena borrada aparecia na foto resultante.
Naturalmente, os céticos afirmaram que a coisa toda não passava de fraude, declarando que o estranho cilindro com o qual Sérios gostava de trabalhar continha uma lente oculta. No entanto, tais críticas não conseguiram explicar todos os detalhes do sucesso do ex-mensageiro.
Uma experiência um tanto intrigante foi imaginada pelo dr. Eisenbud, em 1965. Várias testemunhas reuniram-se em sua casa, e cada uma delas anotou determinada cena em um pedaço de papel. Sérios, que não foi informado das sugestões, simplesmente recebeu ordens de imprimir uma das cenas em filme Polaroid. Isso significava que parte da mente dele precisava receber, mediunicamente, as sugestões, escolher uma delas, e então imprimi-la no papel fotográfico.
Sérios começou sua parte da experiência tomando algumas cervejas, antes de começar a trabalhar, e olhando fixamente para a máquina fotográfica. A imagem que resultou parecia a foto de uma aranha em pose, fora de foco. E não combinava com nenhuma das sugestões dadas pelos convidados. A única que se aproximava era a que trazia escritas em um pedaço de papel as palavras "avião com escalonamento dos planos de vôo".
Dois anos mais tarde, quando o dr. Eisenbud lia um exemplar de The American Heritage of Flight, encontrou, para sua surpresa, uma série de fotos de aviões biplanos com a asa superior avançada - e a foto anterior de Sérios era idêntica a uma delas.

domingo, 16 de abril de 2017

Os Ruídos da Morte

Os habitantes das ilhas Samoa acreditam que, quando a morte se aproxima, pancadas secas paranormais são ouvidas na casa da vítima. Esse estranho fenômeno já foi chamado de ruídos da morte, e sua existência representa mais do que mero folclore.
Genevieve B. Miller, por exemplo, sempre ouviu esses estranhos ruídos, particularmente na infância. As pancadas ocorreram durante o verão de 1924 em Woronoco, Massachusetts, quando sua irmã, Stephanie, ficou acamada com uma doença misteriosa. Enquanto a menina permanecia na cama, ruídos estranhos, semelhantes a batidas feitas com os dedos, ecoavam pela casa. Eles soavam de três em três, sendo que o primeiro era mais longo do que os outros dois.
Certa vez, o pai da sra. Miller ficou tão irritado com os ruídos que arrancou todas as cortinas das janelas da casa, culpando-as por aquele barulho infernal. Contudo, essa demonstração de nervosismo de pouco adiantou para terminar com aquele sofrimento.
No dia 4 de outubro, já se sabia que Stephanie estava morrendo. Quando o médico chegou, ele também ouviu as pancadas estranhas.
- O que é isso? - perguntou, voltando-se para tentar descobrir a fonte do barulho. Quando se virou novamente para a pequena paciente, ela pronunciou suas últimas palavras e morreu.
As pancadas diminuíram a atividade após a morte de Stephanie, porém nunca chegaram a parar de todo. Elas voltaram, ocasionalmente, quando a família se mudou para uma casa nova. Então, em 1928, o irmão de Stephanie morreu afogado quando a superfície congelada de um rio, sobre a qual caminhava, quebrou-se. A partir dessa época, os ruídos da morte nunca mais foram ouvidos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos